Editor da Editora Letras & Letras


O mundo maravilhoso da palavra intraduzível

Termos que só existem em outros idiomas revelam que cada língua possui uma abordagem distinta para a mesma realidade, mas suas diferenças podem ser apenas aparentes

Edgard Murano

Que o amor é complicado, ninguém questiona. Mas o povo boro, da Índia, tem vocabulário aparentemente bem mais atento às nuances desse sentimento do que muitas línguas. Para eles, onsay significa "fingir amar"; ongubsy, "amar de verdade" e onsia, "amar pela última vez". Essa busca pelo específico também pode ser observada entre os albaneses, cuja fixação por bigodes (sim, bigodes) ganha vocabulário preciso e diversificado: madh (bigode espesso), holl (fino), rruar (raspado), glemb (com pontas afiadas) e por aí vai. São mais de dez tipos, além de 27 termos dedicados a sobrancelhas. Da mesma forma, há na língua japonesa toda uma variedade de sensações sinestésicas de difícil tradução.

É como se certos povos vissem e sentissem coisas e fenômenos a que outros não parecem atentos. No livro Tingo - O Irresistível Almanaque das Palavras que a Gente Não Tem (Conrad, 2007), o inglês Adam Jacot de Boinod compila termos e expressões de diversos idiomas, como rapanui, inuíte, alemão e japonês, cobrindo aspectos da experiência humana que os povos teriam em comum, mas a linguagem, nem tanto.

O autor defende que algumas palavras descrevem conceitos e sensações locais, e suas favoritas tendem a ressaltar um aspecto de uma cultura específica. Na variedade babélica de línguas, chama a atenção a capacidade de determinados vocábulos sintetizarem idéias complexas, peculiares.

É o caso de iktsuarpok, que em inuíte (idioma da nação indígena inuíte, da região de Québec, Canadá) significa "ir muitas vezes à porta de casa para ver se a pessoa vem vindo"; ou do termo holandês plimpplamppletteren, "fazer uma pedra chata ricochetear na superfície da água o maior número de vezes possível"; e até da palavra-título tingo, que em rapanui (idioma polinésio da Ilha de Páscoa, território chileno ao sul do Pacífico) é "pedir emprestadas uma a uma as coisas da casa de um amigo até não sobrar nada".

Desculpe-me mas de tanto emprestar, fiquei sem açúcar !
Intraduzibilidade
A rigor, situações como essas existem em muitas culturas, mas é a maneira como se cristalizaram em um único vocábulo que as tornaria tão especiais. A palavra alemã Scheissenbedauern dificilmente encontraria equivalente em nosso idioma, posto que significa "frustração de quando alguma coisa acaba não sendo tão ruim como se esperava". Em contrapartida, a palavra bakkushan, do japonês, encontraria equivalências nas gírias machistas "raimunda" e "camarão", já que quer dizer "uma jovem que parece bonita vista de trás, mas pode não ser quando vista de frente".

O fenômeno das palavras de difícil ou impossível tradução, para as quais o idioma não dispõe de equivalentes tão significativos ou econômicos, é motivo de constante espanto dos especialistas da linguagem, lembra Mário Eduardo Viaro, professor da USP e colunista de Língua.

- O tema da "intraduzibilidade", ou melhor, da não-correspondência palavra-por-palavra, já é antigo em lingüística. Estudiosos como Sapir, Whorf, Nida já ficaram perplexos perante palavras aparentemente intraduzíveis das línguas indígenas norte-americanas - explica Viaro.

Os últimos séculos do Ocidente, que ampliaram o contato entre culturas distintas, parecem ter estreitado as distâncias entre povos, o que não só aumentou as trocas entre economias e países, como estimulou a curiosidade em torno do outro por nós desconhecido. Mostraram para a ciência que as diferenças lingüísticas retratam a diversidade, e paralelos comuns: sentida diferente, a experiência humana é parecida em lugares os mais diversos.

Essa, por exemplo, é a opinião de Jean Cristtus Portela, professor da Unesp (Universidade Estadual Paulista), de Araraquara, como se vê no quadro abaixo. Cada língua, afirma, tem "palavras de toque", "cristais raros", que concentram a aventura humana de uma cultura, mas não convém generalizar o que as separa, criando hierarquias entre idiomas.

- O "conteúdo" das palavras, por mais "estrangeiro" que seja, raramente nos é completamente desconhecido, desde que nos disponhamos a apreciar a experiência do outro (sua "forma de vida") com, ao menos, cumplicidade - escreve.

Certas palavras, mais do que outras, parecem concentrar grandes experiências de uma comunidade. Algumas, sem equivalentes numa unidade lexical de outras línguas, seriam fruto de seqüências comportamentais, ações e cenas recorrentes, que fazem a superfície "material" da língua assumir dada configuração. Se poligamia é prática comum dos inuítes, em que os homens trocam de esposas por dias, natural que tenham denominação concisa para ele (areodjarekput).

Pode não ser disparatado encarar a tradução cultural, a harmonia entre as línguas, da maneira como em geral se encara uma tradução de obra literária estrangeira, por exemplo. Tal como um livro ou filme gringo, as palavras dos idiomas pedem a consideração do contexto lingüístico no qual estão imersas, uma vez que a cultura dos povos manifesta-se principalmente por meio de sua língua.

Segundo Regina Helena Machado Aquino Corrêa, tradutóloga e coordenadora do curso de pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina, há termos que carregam uma forte carga cultural, e quanto mais intensa ela for, maiores serão as barreiras tradutórias.

- São as experiências sensoriais, ligadas ao cheiro, ao sabor, à emoção, a realidades além das lingüísticas, que estabelecem para o signo lingüístico uma relação mais complexa do que aquela entre significante e significado - afirma Regina.

Diante disso, um dos maiores desafios do tradutor de obras literárias, por exemplo, é encontrar palavras que reflitam o estranhamento de uma realidade alheia (homens, cores, plantas, odores e ritmos de uma cultura), como no caso da palavra "capoeira" na versão em inglês do livro Tenda dos Milagres, de Jorge Amado, traduzido por Barbara Shelby Merello.

- Nós brasileiros, que conhecemos a capoeira, sabemos que há algo para além da palavra que nomeia essa luta e não pode ser transmitido por uma simples explicação. Seria impossível passar a imagem mnemônica de um signo cultural que acompanha o signo lingüístico, e só a nossa experiência cultural é capaz relacioná-la à nossa tradição de uso de mão-de-obra escrava - explica a tradutóloga.

Contextos
Embora alguns povos pareçam mais atentos a resumir certas idéias em uma ou poucas palavras, seria próprio de toda língua nomear fenômenos, situações e objetos de acordo com "prioridades" de sua cultura, o que pode tornar intraduzível o sentido de um termo sem a compreensão do contexto.

O entendimento do contexto é importante, por exemplo, até para entender a "intraduzibilidade" que ocorre num mesmo idioma. O lingüista russo A. Kondratov lembra em Sons e Sinais da Linguagem Universal (Editora Coordenada, 1972) que uma mesma língua pode "recortar" ou classificar o mundo de forma diferente em momentos distintos. Valendo-se das diferenças entre o alemão arcaico e o moderno, Kondratov destaca o vocábulo Wurm, que antigamente significava "verme", "serpente", "dragão" e "aranha".

Sabe-se, atualmente, que o alemão apresenta quatro palavras diferentes para designar esses animais. Coube ao tempo e à evolução do idioma cunhar nomes específicos para eles.

Adam Jacot de Boinod, autor da coletânea Tingo, faz o elogio dos contextos. Em entrevista por e-mail, diz acreditar que as palavras revelam a universalidade da experiência humana que estaria impressa sob a aparência de diversidade lingüística. Seu interesse por palavras estrangeiras surgiu quando trabalhava como pesquisador do QI [Quite Interesting], um programa de TV com perguntas e respostas apresentado pelo ator Stephen Fry e exibido pela BBC de Londres. Ansioso para encontrar palavras interessantes iniciadas por uma determinada letra, Boinod recorria a dicionários estrangeiros, em que se deparava com palavras enigmáticas e praticamente impronunciáveis.

- Boinod escreveu um "guia de viagens" lingüístico. Pelas palavras dos outros vemos outras realidades, outras paisagens, comportamentos, que talvez estejam aqui também, entre nós, invisíveis, porém. Invisíveis porque ainda não temos, não tecemos as palavras certas - diz Gabriel Perissé, tradutor, doutor em Filosofia da Educação e colunista de Língua.

Para Francisco Borba, lingüista e dicionarista (é dele o Dicionário Unesp do Português Contemporâneo), um livro como Tingo pode ter o mérito de chamar a atenção do público para aspectos das línguas, mas seria preciso avaliá-lo com reservas. A falta de bibliografia e informações precisas sobre o contexto de uso das palavras em suas línguas de origem, além da carência de etimologia dos termos escolhidos, podem decepcionar leitores iniciados em questões de linguagem.

Processos a explicar
Segundo Maria Helena de Moura Neves, professora da Unesp (Araraquara) e do Mackenzie (São Paulo), a obra traz palavras com processos de formação heterogêneos, o que é natural por se tratar de vários idiomas. Mas a falta de indicação sobre a natureza desses diferentes processos, que variam de língua a língua, de palavra a palavra, faz de Tingo mero livro de curiosidades, mais voltado ao entretenimento do que ao aprendizado lingüístico propriamente dito.

No alemão, que produz muitas palavras compostas, Maria Helena ressalta que, ao se juntarem dois radicais, o significado de um se projeta sobre o do outro, o que gera um terceiro significado que, por sua vez, não representa simplesmente a soma dos dois. Um bom exemplo desse processo de composição é a palavra drachenfutter, descrita no livro de Boinod como "presente que um marido culpado oferece à esposa para se redimir", cujo sentido literal é "ração (futter) de dragão (drachen)".

- É uma ironia que vivamos numa era em que a informação seja tão fácil de obter e tão difícil de ser checada. Há muito se acabou o zelo solitário dos lexicógrafos da era vitoriana, que me proviam com tanto material inédito, muitos ignorados até mesmo pelos nativos da língua - afirma Boinod.

As palavras, expressão de hábitos e raciocínios de povos em séculos de uso, deixam poucos rastros em que podemos nos fiar. Por isso, o paralelo mais surpreendente entre significados comuns nos idiomas talvez não seja, para quem se encanta com o fenômeno da linguagem, o das palavras que demarcam nossa diferença, mas o do quanto sua disparidade comunica cada semelhança.

O mito do intraduzível
A palavra drachenfutter, "presente que marido culpado dá a esposa para redimir-se" significa literalmente "ração" (futter) de "dragão" (drachen)

Cada língua tem palavras "sem tradução", mas aS experiência humana é comum a vários povos

Jean Cristtus Portela

Partidários do intraduzível, a idéia de que a barreira entre idiomas é intransponível, têm por deus a língua e por santos, as palavras, o conjunto estando orquestrado no céu das formas. Sensação e percepção, cognição e pensamento, constituintes sutis e imateriais da linguagem, não têm muito espaço nessa visão "concreta" (e parcial).

Cada língua tem "palavras de toque", cristais raros, que concentram a aventura humana de uma cultura. Para deleite dos fetichistas do léxico, muitas palavras "sem tradução" são uma única unidade lexical (ainda que formadas por justaposição de vocábulos), cuja explicação-tradução toma linhas de texto. Em si, isso não é surpreendente: cada cultura tem seqüências comportamentais recorrentes (ações, cenas, sentimentos), que "forçam" a superfície material da língua a ganhar corpo, contornos, vocalização, uma forma estável de denominação.

Se, na forma, há palavras de difícil tradução, no conteúdo não há experiência humana expressa na língua que não possa ser transmitida a outro humano. Se a forma pode nos ser estranha, pois vem de repertório de sensações (sons, cores, volumes) diferente do nosso, com coerções sociais e históricas distintas das que conhecemos, o conteúdo, por "estrangeiro" que seja, raramente nos é tão desconhecido, desde que nos disponhamos a apreciar a forma de vida do outro com cumplicidade.

Intraduzível mito
Em geral, o mito do intraduzível insinua um desejo de superação: o tradutor se debate com o "gênio da língua", que ganha proporção de montanhas, abismos, imagens de pequenez e vertigem. Segundo o mito, os inimigos do tradutor são a "densidade" (a opacidade), a "riqueza", a "raridade" (preciosidade) da língua a ser traduzida, que parecem sempre maiores do que a da língua para a qual se traduzirá. A "língua-alvo" ou "de chegada" é insuficiente, está em posição de deficiência, de falta.

Essa lógica do menos e mais, da potência e da impotência, não serve para pensar a diversidade de línguas e as diferenças que ela implica. Para quem a aprecia com olhar zeloso, toda língua é preciosa. Já o especialista, sem poder avaliar a "beleza" ou "racionalidade" de um idioma ("como é belo o francês", "só se pode filosofar em alemão"), contenta-se em inventariar os tipos lingüísticos.

Geralmente, no mito do intraduzível tudo tem seu valor assegurado pelo pitoresco: o "dialeto tribal", os "resquícios de uma língua primitiva", o "gênio da língua". Tudo é pitoresco e anedótico: "uma palavra para dizer tudo isso!", "quem não conhece essa expressão não entende essa cultura", "não leio traduções" etc. A idéia de intraduzibilidade nutre-se do senso comum e promove preconceitos.

No culto do intraduzível, há fascínio pela impossibilidade de dizer. Fascínio e medo: admiramos quem pode dizer o que não podemos, duvidamos de quem nos ensina a dizer o que não achávamos que podíamos.

Jean Cristtus Portela é semioticista e tradutor, doutor em linguística e lingua portuguesa pela Unesp Araraquara

Palavra e Origem Significado
Tingo (Rapanui) Pedir emprestadas, uma a uma, as coisas da casa de um amigo até não sobrar nada
Iktsuarpok (Inuíte) O ato de ir muitas vezes à porta de casa para ver se a pessoa vem vindo
Kyouikumama (Japonês) Mulher que força os filhos a estudar demais
Giomlaireachd (Gaélico escocês) O hábito de aparecer na casa dos outros na hora das refeições
Razbliuto (Russo) O afeto que ainda se sente por alguém que algum dia se amou
Ohrwurm (Alemão) Música que fica na cabeça ou que se torna popular com rapidez ("verme de ouvido")
Zakilpistola (Basco) Aquele que sofre de ejaculação precoce ("pinto pistola")
Menggerumut (Indonésio) Aproximar-se de alguém em silêncio à noite para transar
Sgriob (Gaélico escocês) Coceira no lábio superior pouco antes de tomar um gole de uísque
Pagezuar (Albanês) Morrer antes de desfrutar as alegrias do casamento ou de ver os filhos casados
Ciegayernos (Espanhol caribenho) Mulher que procura marido para a filha

Escrito por Carlos José Linardi às 14h34
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Histórico
  21/02/2016 a 27/02/2016
  13/12/2015 a 19/12/2015
  08/11/2015 a 14/11/2015
  16/08/2015 a 22/08/2015
  19/07/2015 a 25/07/2015
  28/06/2015 a 04/07/2015
  07/06/2015 a 13/06/2015
  22/02/2015 a 28/02/2015
  14/12/2014 a 20/12/2014
  23/11/2014 a 29/11/2014
  26/10/2014 a 01/11/2014
  05/10/2014 a 11/10/2014
  17/08/2014 a 23/08/2014
  29/06/2014 a 05/07/2014
  23/03/2014 a 29/03/2014
  26/01/2014 a 01/02/2014
  08/12/2013 a 14/12/2013
  27/10/2013 a 02/11/2013
  29/09/2013 a 05/10/2013
  04/08/2013 a 10/08/2013
  16/06/2013 a 22/06/2013
  28/04/2013 a 04/05/2013
  03/03/2013 a 09/03/2013
  03/02/2013 a 09/02/2013
  20/01/2013 a 26/01/2013
  16/12/2012 a 22/12/2012
  18/11/2012 a 24/11/2012
  14/10/2012 a 20/10/2012
  30/09/2012 a 06/10/2012
  23/09/2012 a 29/09/2012
  02/09/2012 a 08/09/2012
  19/08/2012 a 25/08/2012
  05/08/2012 a 11/08/2012
  29/07/2012 a 04/08/2012
  15/07/2012 a 21/07/2012
  24/06/2012 a 30/06/2012
  27/05/2012 a 02/06/2012
  22/04/2012 a 28/04/2012
  08/04/2012 a 14/04/2012
  01/04/2012 a 07/04/2012
  18/03/2012 a 24/03/2012
  11/03/2012 a 17/03/2012
  04/03/2012 a 10/03/2012
  19/02/2012 a 25/02/2012
  15/01/2012 a 21/01/2012
  08/01/2012 a 14/01/2012
  11/12/2011 a 17/12/2011
  04/12/2011 a 10/12/2011
  20/11/2011 a 26/11/2011
  06/11/2011 a 12/11/2011
  23/10/2011 a 29/10/2011
  16/10/2011 a 22/10/2011
  09/10/2011 a 15/10/2011
  25/09/2011 a 01/10/2011
  11/09/2011 a 17/09/2011
  28/08/2011 a 03/09/2011
  21/08/2011 a 27/08/2011
  14/08/2011 a 20/08/2011
  31/07/2011 a 06/08/2011
  24/07/2011 a 30/07/2011
  10/07/2011 a 16/07/2011
  26/06/2011 a 02/07/2011
  19/06/2011 a 25/06/2011
  12/06/2011 a 18/06/2011
  05/06/2011 a 11/06/2011
  22/05/2011 a 28/05/2011
  15/05/2011 a 21/05/2011
  24/04/2011 a 30/04/2011
  10/04/2011 a 16/04/2011
  03/04/2011 a 09/04/2011
  27/03/2011 a 02/04/2011
  13/03/2011 a 19/03/2011
  06/03/2011 a 12/03/2011
  20/02/2011 a 26/02/2011
  13/02/2011 a 19/02/2011
  06/02/2011 a 12/02/2011
  30/01/2011 a 05/02/2011
  09/01/2011 a 15/01/2011
  12/12/2010 a 18/12/2010
  05/12/2010 a 11/12/2010
  21/11/2010 a 27/11/2010
  07/11/2010 a 13/11/2010
  24/10/2010 a 30/10/2010
  17/10/2010 a 23/10/2010
  03/10/2010 a 09/10/2010
  19/09/2010 a 25/09/2010
  12/09/2010 a 18/09/2010
  29/08/2010 a 04/09/2010
  22/08/2010 a 28/08/2010
  08/08/2010 a 14/08/2010
  01/08/2010 a 07/08/2010
  25/07/2010 a 31/07/2010
  18/07/2010 a 24/07/2010
  11/07/2010 a 17/07/2010
  04/07/2010 a 10/07/2010
  27/06/2010 a 03/07/2010
  20/06/2010 a 26/06/2010
  06/06/2010 a 12/06/2010
  30/05/2010 a 05/06/2010
  23/05/2010 a 29/05/2010
  16/05/2010 a 22/05/2010
  02/05/2010 a 08/05/2010
  25/04/2010 a 01/05/2010
  18/04/2010 a 24/04/2010
  11/04/2010 a 17/04/2010
  28/03/2010 a 03/04/2010
  21/03/2010 a 27/03/2010
  14/03/2010 a 20/03/2010
  07/03/2010 a 13/03/2010
  28/02/2010 a 06/03/2010
  21/02/2010 a 27/02/2010
  07/02/2010 a 13/02/2010
  24/01/2010 a 30/01/2010
  13/12/2009 a 19/12/2009
  29/11/2009 a 05/12/2009
  15/11/2009 a 21/11/2009
  08/11/2009 a 14/11/2009
  01/11/2009 a 07/11/2009
  25/10/2009 a 31/10/2009
  18/10/2009 a 24/10/2009
  11/10/2009 a 17/10/2009
  27/09/2009 a 03/10/2009
  20/09/2009 a 26/09/2009
  13/09/2009 a 19/09/2009
  06/09/2009 a 12/09/2009
  23/08/2009 a 29/08/2009
  16/08/2009 a 22/08/2009
  09/08/2009 a 15/08/2009
  02/08/2009 a 08/08/2009
  26/07/2009 a 01/08/2009
  19/07/2009 a 25/07/2009
  05/07/2009 a 11/07/2009
  28/06/2009 a 04/07/2009
  21/06/2009 a 27/06/2009
  14/06/2009 a 20/06/2009
  07/06/2009 a 13/06/2009
  31/05/2009 a 06/06/2009
  24/05/2009 a 30/05/2009
  17/05/2009 a 23/05/2009
  10/05/2009 a 16/05/2009
  03/05/2009 a 09/05/2009
  26/04/2009 a 02/05/2009
  19/04/2009 a 25/04/2009
  12/04/2009 a 18/04/2009
  05/04/2009 a 11/04/2009
  29/03/2009 a 04/04/2009
  22/03/2009 a 28/03/2009
  15/03/2009 a 21/03/2009
  22/02/2009 a 28/02/2009
  08/02/2009 a 14/02/2009
  01/02/2009 a 07/02/2009
  18/01/2009 a 24/01/2009
  11/01/2009 a 17/01/2009
  04/01/2009 a 10/01/2009
  14/12/2008 a 20/12/2008
  07/12/2008 a 13/12/2008
  30/11/2008 a 06/12/2008
  23/11/2008 a 29/11/2008
  16/11/2008 a 22/11/2008
  09/11/2008 a 15/11/2008
  19/10/2008 a 25/10/2008
  12/10/2008 a 18/10/2008
  28/09/2008 a 04/10/2008
  21/09/2008 a 27/09/2008
  14/09/2008 a 20/09/2008
  07/09/2008 a 13/09/2008
  31/08/2008 a 06/09/2008
  24/08/2008 a 30/08/2008
  10/08/2008 a 16/08/2008
  03/08/2008 a 09/08/2008
  27/07/2008 a 02/08/2008
  20/07/2008 a 26/07/2008
  13/07/2008 a 19/07/2008
  22/06/2008 a 28/06/2008
  08/06/2008 a 14/06/2008
  01/06/2008 a 07/06/2008
  18/05/2008 a 24/05/2008
  11/05/2008 a 17/05/2008
  04/05/2008 a 10/05/2008
  27/04/2008 a 03/05/2008
  20/04/2008 a 26/04/2008
  18/12/2005 a 24/12/2005
  04/12/2005 a 10/12/2005
  27/11/2005 a 03/12/2005
  20/11/2005 a 26/11/2005
  13/11/2005 a 19/11/2005
  02/10/2005 a 08/10/2005
  25/09/2005 a 01/10/2005
  18/09/2005 a 24/09/2005
  28/08/2005 a 03/09/2005


Outros sites
  UOL - O melhor conteúdo
  BOL - E-mail grátis
Votação
  Dê uma nota para meu blog